SUB-CATEGORIAS

VEJA TAMBÉM
POVOADO DA SANTINHA

Denominado também como a «castro da Santinha ou monte de castros», ergue-se a 195 metros acima do nível médio das águas do mar, e caracteriza-se por ser uma zona abundante em granito.
Foi uma zona habitacional durante os finais da Idade do Bronze, no século X AC, que se verificou a primeira ocupação efectiva do Monte da Santinhae mais tarde, em plena época Romana.
Daqui advêm importantes achados arqueológicos, já estudados, (Cunha:1943) e (Bettencourt:1995), entre eles cerâmicas, bronzes e vários objectos que testemunham a habitabilidade de outrora, justificada pela visibilidade que permite, pelo Vale do Cávado. Nas imediações deste local existiam bosques, compostos por árvores da floresta climática e ribeirinha (Amieiro, Amieiro-negro, Buxo, Freixo, Pinheiro Bravo, Sabugueiro e Salgueiro) e campos agrícolas (de trigo, milho miúdo, favas e Brassica). Nas diversas fossas abertas na necrópole, aquando das escavações de 1993 e 1994, surguiram um grande número de sementes de cereais, crucíferas e leguminosas, a profusão de vasos cerâmicos de fabrico grosseiro, de grande e média dimensão, e os fraguementos de grandes moinhos manuais, que permitiram admitir que esta zona teria funcionado como área de armazenagem e transformação de produtos agrícolas. Foram ainda encontrados outro tipo de estruturas e de artefactos, nomeadamente pavimentos, um número reduzido de fossas, uma sepultura, espólio cerâmico e louça fina.

O conjunto de resultados obtidos nas escavações efectuadas, apesar de pouco exuberantes, tornam este povoado de grande importância para o estudo do povoamento dos finais da Idade do Bronze, na medida em que testemunham uma modalidade de ocupação do território até à data desconhecida - a ocupação de cabeços de baixa altitude conectados com grandes bacias fluviais.

"O Povoado da Santinha, Amares, Norte de Portugal, nos finais da Idade do Bronze" Ana M. S. Bettencourt 2001


Galeria de Fotos